O que é o aconselhamento psicológico

consulting-2204252__340

A origem histórica do aconselhamento psicológico está na “cura pela fala”, método desenvolvido pelo filósofo grego Empédocles 400 a.C. no qual o filósofo recomendava que se conversasse com os pacientes. Como na época não havia distinção entre doenças mentais e físicas, essa prática se aplicava às doenças de modo geral. Durante essa conversa se escutava e podia-se até debater, como também aconselhar.

Na contemporaneidade o aconselhamento é uma “profissão de feedback”¹  que pode ser desenvolvida em qualquer área.  Visto que qualquer indivíduo poderá aconselhar outro na medida em que qualquer assunto que interessa a um sujeito poderá interessar igualmente a outro. Já que enquanto espécie somos todos signatários de um mesmo arcabouço lingüístico-ontológico.  O aconselhamento é assim mais um modo de se posicionar do que um ofício específico. Mais forma do que conteúdo. Assim o campo do aconselhamento se ampliou, passando a designar uma relação de ajuda na qual o cliente, ou a pessoa em busca de atendimento, busca alívio para suas tensões, esclarecimentos para suas dúvidas ou acompanhamento terapêutico em face de problemáticas enfrentadas em diversos domínios da vida, como educacional, não envolvendo apenas o fornecimento de informações a aplicação de testes psicológicos e a orientação considerada diretiva.

Não possuindo uma metodologia ou um referencial teórico próprios, o que determinará os objetivos, referenciais e estratégias de um aconselhamento é a prática do conselheiro, seu exercício efetivo. Sendo assim, aconselhamento psicológico será aquele realizado por um psicólogo que terá como especificidades as próprias particularidades do psicólogo conselheiro de acordo com sua abordagem teórica e vivências acadêmicas ou profissionais.  O que poderá ser feito em qualquer área de atividade, tais como: hospitalar, esportiva, organizacional, jurídica, legislativa e escolar que é um dos principais cenários de atuação do conselheiro desde seu estabelecimento na contemporaneidade:

“O aconselhamento originou-se com Frank Parsons, em 1909, com o objetivo de promover ajuda a jovens em processo de escolha da carreira e em face à emergência de novas profissões e ocupações devido à Revolução Industrial. O foco do aconselhamento era, portanto, conhecer as principais inclinações desses jovens para que eles pudessem ser encaminhados para ocupações consideradas adequadas a esses perfis profissionais (Patterson e Eisenberg, 1988), tanto no cenário escolar como no organizacional, em uma clara referência à teoria de traço e fator. Para essa teoria, muito empregada no contexto da orientação escolar e profissional à época, os indivíduos poderiam ser diferenciados entre si em termos de habilidades físicas, aptidões e interesses, de modo que essas características estariam mais diretamente relacionadas a determinadas profissões e ocupações.” (SCORSOLINI-COMIN, 2014, p.3.)

            Foi Carl Rogers, especialmente com sua obra Counseling and Psychotherapy que dá uma nova formatação ao aconselhamento psicológico que deixa de ser uma prática mais focada na orientação profissional para se tornar uma forma mais ampla de auxiliar em processos de tomada de decisão, alivio de tensões, esclarecimentos de dúvidas. A caracterização do aconselhamento como sua distinção da psicoterapia não é precisa:

“Genericamente, trata-se de uma experiência que visa a ajudar as pessoas a planejar, tomar decisões, lidar com a rotina de pressões e crescer, com a finalidade de adquirir uma autoconfiança positiva. Pode ser considerada uma relação de ajuda que envolve alguém que busca auxílio, alguém disposto a ajudar e apto para essa tarefa, em uma situação que possibilite esse dar e receber apoio. Outra definição clássica é de uma “relação face a face de duas pessoas, na qual uma delas é ajudada a resolver dificuldades de ordem educacional, profissional, vital e a utilizar melhor os seus recursos pessoais (…)[…] método de assistência psicológica destinado a restaurar no indivíduo suas condições de crescimento e de atualização, habilitando-o a perceber, sem distorções, a realidade que o cerca e a agir, nessa realidade, de forma a alcançar ampla satisfação pessoal e social” (SCORSOLINI-COMIN, 2014, p.4.)

Com Rogers podemos ver no campo do aconselhamento uma maior aproximação com a área da psicologia clínica e da psicoterapia, que já tinha bastante tradição à época. É por esse motivo que as discussões existentes na literatura científica que aproximam aconselhamento e psicoterapia possuem como ponto de referência os estudos de Rogers, o que traz à baila a abordagem centrada na pessoa. Para Rogers, havia semelhanças e diferenças entre esses campos, embora não devesse ser tarefa fundamental delimitar os objetivos de cada uma dessas atuações, pois ambas se colocavam a serviço de pessoas em sofrimento que buscavam ajuda. Esses embates já foram mais tradicionais na Psicologia, que buscava um maior esclarecimento acerca de seus campos de atuação, notadamente nos anos seguintes à publicação desse trabalho de Rogers. No entanto, ainda hoje, esses campos parecem chocar-se, mesclar-se e complementar-se em diversas questões do processo de ajuda Além disso, essa imprecisão na diferenciação do Aconselhamento Psicológico com a Psicoterapia colabora, de certo modo, para que sua abordagem, o Atendimento Centrado na Pessoa – ACP –  seja utilizada em seus princípios gerais por profissionais não psicólogos em grupos operativos e processos de aconselhamento. Didaticamente pode-se distinguir aconselhamento e psicoterapia da seguinte forma:

“As diferenças encontradas referem-se a: (a) tempo da intervenção, sendo o aconselhamento mais breve; (b) complexidade do caso e intensidade do atendimento, sendo a psicoterapia mais profunda; (c) demanda apresentada, sendo o aconselha mento mais voltado para situações contextuais e situacionais; (d) intervenções em aconselhamento focam a ação, mais do que a refl exão, e são mais centradas na prevenção do que no tratamento; (e) o aconselhamento é mais focado na resolução de problemas. As semelhanças referem-se ao escopo do processo de ajuda, às atitudes do psicólogo e à necessidade de desenvolvimento de recursos terapêuticos para estabelecimento de uma relação que possa ser considerada efetiva e atingir os objetivos delineados.”  (SCORSOLINI-COMIN, 2014, p.1.)

¹        O aconselhamento psicológico é uma das disciplinas consideradas básicas na formação do psicólogo e tem sua prática regulamentada no Brasil, sendo, muitas vezes, utilizado como forma de aproximar o aluno do universo clínico e dos atendimentos nos estágios específicos supervisionados. A prática do aconselhamento esteve tradicionalmente atrelada a diversas possibilidades de atuação, como fornecimento de informações, feedback positivo, direcionamento, orientação, encorajamento e interpretação. Essa diversidade pode ser constatada no modo como são conhecidos os profissionais que atuam nessa área: psicólogos, terapeutas, conse- lheiros, aconselhadores, orientadores, profissionais de saúde, entre outros (Corey, 1983; Schmidt, 2012).

         Há diversas formas de definir o aconselhamento psicológico, desde a adoção de referenciais generalistas que focam na explicitação do processo de aconselhamento sem menção direta a abordagens psicológicas, até mesmo de posicionamentos que partem exclusivamente de uma dada abordagem teórica para explicitar o que se concebe como aconselhamento psicológico. Genericamente, trata-se de uma experiência que visa a ajudar as pessoas a planejar, tomar decisões, lidar com a rotina de pressões e crescer, com a finalidade de adquirir uma autoconfiança positiva. Pode ser considerada uma relação de ajuda que envolve alguém que busca auxílio, alguém disposto a ajudar e apto para essa tarefa, em uma situação que possibilite esse dar e receber apoio (Hackney e Nye, 1977). Outra definição clássica é de uma “relação face a face de duas pessoas, na qual uma delas é ajudada a resolver dificuldades de ordem educacional, profissional, vital e a utilizar melhor os seus recursos pessoais” (Scheeffer, 1980, p. 14).

         Ainda em termos das abordagens genéricas acerca do aconselhamento, é como um “processo interativo, caracterizado por uma relação única entre conselheiro e cliente, que leva este último a mudanças em uma ou mais das seguintes áreas”: comportamento, construtos pessoais, capacidade para ser bem-sucedido nas situações da vida ou conhecimento e habilidade para a tomada de decisão. Para Corey (1983), aconselhamento é o processo pelo qual se dá a oportunidade de os clientes explorarem preocupações pessoais, ampliando a capacidade de tomar consciência e das possibilidades de escolha. Em que pesem as definições mais diretamente relacionadas a abordagens psicológicas específicas, Santos (1982, p. 6), um dos pioneiros do aconselhamento psicológico no Brasil e cujo pensamento esteve fortemente alinhado à abordagem centrada na pessoa, define a tarefa de aconselhar como o “processo de indicar caminhos, direções e de procedimentos ou de criar condições para que a pessoa faça, ela própria, o julgamento das alternativas e formule suas opções”. Nesse sentido, o aconselhamento seria diferente da orientação e da psicoterapia, embora guarde semelhanças com essas outras tarefas ligadas a uma relação de ajuda. Esse mesmo autor, evocando as contribuições de Carl Rogers para o campo, afirma que o aconselhamento pode ser compreendido como um “[…] método de assistência psicológica destinado a restaurar no indivíduo suas condições de crescimento e de atualização, habilitando-o a perceber, sem distorções, a realidade que o cerca e a agir, nessa realidade, de forma a alcançar ampla satisfação pessoal e social” (Santos, 1982, p.

         Em uma perspectiva fenomenológica, trata-se de uma relação entre duas pessoas na qual a “presença de um aconselhador torna-se existencialmente terapêutica […] para os aconselhandos” (Forghieri, 2007a, p. 1), motivo pelo qual o aconselhamento psicológico é também referido como aconselhamento terapêutico nessa abordagem. Essa relação interpessoal requer “a presença genuína do aconselhador, manifestada por ele mediante diferentes atuações” (Forghieri, 2007a, p. 1), como fornecimento de informações, exame e reflexão sobre situações conflitantes vivenciadas pelo cliente, o reconhecimento e a exploração de recursos e capacidades pessoais do aconselhando.

          O foco no indivíduo e a presença genuína do conselheiro é também um dos elementos centrais no aconselhamento proposto por Rogers (1942) na abordagem centrada na pessoa. Para esse autor, o objetivo do aconselhamento é facilitar o crescimento do indivíduo, ao invés de resolver problemas específicos, ou seja, o conselheiro seria um facilitador desse crescimento e da busca por maior autonomia e liberdade por parte daquele que busca ajuda:

“Ser realmente o que se é, eis o padrão da vida que lhe parece ser o mais elevado, quando é livre para seguir a direção que quiser. Não se trata simplesmente de uma opção intelectual, mas parece ser a melhor descrição do comportamento hesitante, provisório e através do qual procede à exploração daquilo que quer ser.” (Rogers, 1973, p. 155).

         Em termos dos elementos comuns a todos os aportes teóricos relacionados ao aconselhamento psicológico, Hackney e Nye (1977) destacam seis: (a) trata-se de um processo que envolve respostas aos sentimentos e pensamentos do cliente; (b) envolve uma aceitação básica das percepções e dos sentimentos do cliente, independentemente da avaliação externa do aconselhador; (c) caráter confidencial e existência de condições ambientais (setting) para que se estabeleça a relação de ajuda; (d) a demanda pelo aconselhamento deve partir da pessoa que busca ajuda; (e) o foco está na vida daquele que busca ajuda, não na figura do aconselhador; (f) foco nos processos comunicativos entre aconselhador e cliente.

         O processo de aconselhamento possui determinadas etapas nas quais algumas tarefas estão presentes e contribuem para uma intervenção bem-sucedida. A partir da leitura de teóricos como Corey (1983), Patterson e Eisen- berg (1988), Santos (1982) e Tyler (1953), Pupo e Ayres (2013) condensaram desse modo as etapas do aconselhamento, que podem variar segundo algumas abordagens: (a) identificar e analisar problemas específicos; (b) ampliar a compreensão da pessoa acerca do problema; (c) avaliar os recursos pessoais existentes e que podem ser desenvolvidos para resolver o problema; (d) definição do potencial de mudança dessas condições e atitudes pessoais; (e) utilização de ações específicas e que podem contribuir para o processo de mudança e/ou transformação referente ao problema relatado. Desse modo, também considerando as diferenças existentes entre as abordagens teóricas, Pupo e Ayres (2013, p. 1091) sumarizam, a partir da literatura científica, que o aconselhamento é uma tecnologia de ajuda, de cuidado, e como uma prática instrumental que oferece auxílio estruturado e personalizado para o manejo de situações difíceis e de crise que exigem ajustamentos e adaptações, para a solução de problemas específicos e para a tomada de decisões. Ainda há que se considerar a importância da relação entre conselheiro e cliente, considerada como um dos fatores de sucesso para uma intervenção, desde que o profissional consiga ser autêntico, posicionar-se de modo positivo e sem avaliações ou julgamentos, além de manifestar um elevado grau de empatia nesse relacionamento (Rogers, 1942, 2001). No contato entre esses dois agentes, deve-se possibilitar a expressão dos sentimentos daquele que busca ajuda. O conselheiro deve ser capaz de facilitar o processo de autoconhecimento por parte de seu cliente, a fim de que possa buscar, por si mesmo, o seu crescimento pessoal e a autorrealização:

“[…] a consulta psicológica [counseling] eficaz consiste numa relação permissiva, estruturada de uma forma definida que permite ao paciente alcançar uma compreensão de si mesmo num grau que o capacita a progredir à luz da sua nova orientação.” (Rogers, 1973, p. 29).

Delimitando a compreensão do aconselhamento psicológico no contexto escolar percebemos que a escola é um dos principais ambientes para o trabalho do conselheiro, por vários motivos como, por exemplo, o fato de alguns indivíduos não se adequarem bem naquele contexto de pressão por resultados, estresse, e falta de adaptação ao ambiente. O modelo conhecido como “peer counseling” nas escolas já é desenvolvido no Canadá e outros países desenvolvidos como Estados Unidos e Reino Unido. É interessante que esse modelo seja baseado em uma intervenção multidisciplinar.

Um exemplo de situação em que o serviço de aconselhamento psicológico no ambiente escolar é necessário é citado num estudo (DE ALENCAR, 2007) que discute a importância do apoio sócio emocional para alunos superdotados que, no geral, podem ser pessoas sensíveis, perfeccionistas, ansiosos, e que apresentam autoestima baixa e insegurança em relação ao seu desempenho. A autora ainda afirma que é preciso também um apoio à família do aluno superdotado, esse tipo de programa já é implantado nos Estados Unidos há mais de 20 anos. O aluno superdotado, é muito pressionado dentro da família a seguir uma determinada carreira, e essa pressão pode aumentar caso os pais sejam excessivamente ambiciosos e exijam cada vez mais dos filhos. Fora isso, algumas famílias não conseguem lidar com a discrepância entre alto nível intelectual e baixo nível emocional:

“Muitas das dificuldades que o superdotado enfrenta em nosso meio se devem também ao rótulo. Como destacamos anteriormente” (Alencar, 1986, 1994, 2001; Alencar & Fleith, 2001).

“A fim de prevenir ou minorar o desajuste emocional de crianças e jovens superdotados, seria desejável que pais e professores fossem orientados a respeito das características pessoais, desenvolvimento cognitivo, necessidades sociais e emocionais e habilidades desses indivíduos. Infelizmente isto vem ocorrendo de forma muitíssimo limitada em grande número de países, permanecendo a família desamparada, além de ser a escola pouco equipada para propiciar experiências educacionais de qualidade aos superdotados.” (DE ALENCAR, 2007)

Outro estudo (MARTURANO, 2005) investigou 46 meninos e 29 meninas de 7 a 12 anos que foram encaminhados a uma clínica escola por mau desempenho escolar. Foram aplicados testes nas crianças e os resultados mostraram que 96% delas mostravam sua capacidade intelectual preservada, porém 89% apresentaram desempenho acadêmico inferior ao esperado pela série cursada. Os resultados mostraram que 71% das crianças apresentaram problemas de comportamento considerados clínicos, com características e ansiedade e depressão, problemas de atenção e agressividade, ou seja, comportamentos internalizantes como externalizantes, porém os internalizantes foram mais presentes nas meninas e os externalizantes nos meninos. A pesquisa mostrou que para dois terços da amostra o problema escolar não se apresenta isoladamente, sendo importante uso de estratégias para atenção psicológica, cujas necessidades transcendem o contexto escolar, e muitas vezes elas não são compreendidas por professores e coordenadores que acabam por atribuir a culpa no aluno.

No Brasil, o campo de aconselhamento psicológico começou a se desenvolver a partir da década de 1970, e no contexto escolar, houve uma tendência de se encarar o aconselhamento psicológico como psicoterapia na escola, principalmente a psicoterapia Rogeriana. Outra confusão corriqueira relacionada ao aconselhamento psicológico no contexto acadêmico se dá em confundir este com orientação educacional. Embora não sejam a mesma coisa, são assuntos que se relacionam, tendo em vista que o aconselhamento é uma das partes da orientação educacional.

 Uma das funções mais conhecidas do conselheiro psicológico no contexto acadêmico é o plantão psicológico. O plantão psicológico se caracteriza por trabalhar as demandas mais urgentes e imediatas que o cliente traz, no momento de tomada de consciência do seu sofrimento, ou seja, é algo focalizado, apesar disso, o aconselhamento nesse contexto, não se resume a tal prática. Portanto, essa prática exige um treinamento e um aperfeiçoamento da pratica de escuta terapêutica por parte do conselheiro, a fim de que a queixa central não passe despercebida, ou que o conselheiro considere como queixa central, uma outra.  Mahfoud (1987, p.75) traz que: “do profissional, esse sistema pede uma disponibilidade para se defrontar com o não planejado e com a possibilidade (nem um pouco remota) de que o encontro com o cliente seja único”. Deve-se ficar claro que muitas vezes, a questão não será sanada, e isso não significa que o atendimento foi um fracasso, pois a função do plantonista na escola é receber e acolher a demanda do cliente, até em decorrência da objetividade do plantão psicológico, não dá tempo para isso, em muitas vezes. Mahfoud (1987), completa essa ideia trazendo que: “cabe ao psicólogo proporcionar ao paciente uma compreensão a respeito de si mesmo e de seu papel diante da problemática que o levou a procurar pelo plantão. ”

Cada plantão psicológico será único e se desenvolverá em suas particularidades, não haverá um processo engessado sobre o que fazer em cada caso, já que cada queixa será única, e o modo de intervenção também será único, e a partir da questão trazida pelo cliente. Portanto, antes de qualquer atuação no contexto escolar, o conselheiro deve ter consciência de que não estará atuando no contexto clínico, mas sim na escola, na qual normalmente esse atendimento se dará em situação de crise, devendo-se dispor de uma sessão bastante focalizada na queixa central, e com o tempo de atendimento limitado, o que não permite abordar novas queixas. O conselheiro focará em utilizar os recursos de que dispuser para que o paciente encare de uma nova forma a queixa central que trouxer ao atendimento.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s